Informais, MEIs e intermitentes receberão auxílio de R$ 600,00

4 de abril de 2020

Escrito por: Claudinei Nascimento

Projeto foi aprovado pelo Senado no dia 30 de março. BPC e auxílio-doença também sofrem mudanças.

 

O Senado aprovou, dia 30 de março, o auxílio emergencial de R$ 600,00 por três meses para trabalhadores informais, autônomos (MEIs) e intermitentes com contrato inativo. O projeto prevê ainda R$ 1.200,00 para mães que, comprovadamente, sustentem a sua família. O auxílio já havia sido aprovado pela Câmara dos Deputados no dia 26 de março e agora aguarda apenas a sanção presidencial, para ser liberado.

Será preciso atender alguns requisitos para receber o benefício. O trabalhador deve ter a partir de 18 anos, renda familiar de até três salários mínimos (R$ 3.135,00) ou de até meio salário mínimo por pessoa da família (R$ 522,50), não pode receber aposentadoria, seguro-desemprego, ser beneficiário de outra ajuda do governo, como o BPC, e nem de programa de transferência de renda federal, exceto o Bolsa Família. Outra exigência é que não tenha recebido em 2018 rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70. Por fim, é necessário ainda atender a uma dessas exigências: ser microempreendedor individual (MEI), contribuinte autônomo da Previdência ou cadastrado no CadÚnico até 20 de março. 

De acordo com o texto aprovado, no máximo dois membros da família terão direito ao auxílio. Caso um deles receba o Bolsa Família, pode optar pelo benefício mais vantajoso.
O valor aprovado é o triplo da proposta inicialmente pelo presidente Jair Bolsonaro (R$ 200,00). A previsão é de que a concessão do auxílio de R$ 600,00 beneficie mais de 30 milhões de trabalhadores, por meio de recursos que deve atingir R$ 59,8 bilhões no período de três meses. O benefício pode ser prorrogado, enquanto durar o estado de calamidade pública por conta da pandemia do novo coronavírus. O dinheiro será pago por bancos públicos federais (Banco do Brasil e Caixa Econômica) em conta-poupança digital, aberta automaticamente em nome dos beneficiários.
 

BPC e auxílio-doença

O mesmo texto também traz alterações na concessão do Benefício de Prestação Continuada (BPC), que beneficia idosos a partir dos 65 anos de idade e pessoas com deficiência de baixa renda, sem limite de idade. Ele será pago a famílias com renda de até um quarto de salário-mínimo por pessoa (R$ 261,25) neste ano, passando a meio salário-mínimo por integrante da família (R$ 522,50) a partir de 2021.

O governo é contra o aumento, pois alega que vai gerar uma despesa de R$ 20 bilhões para o orçamento do próximo ano. O texto também autoriza que o INSS antecipe durante três meses o valor de um salário-mínimo mensal (R$ 1.045,00) para quem estiver na fila para pedir o auxílio-doença, além dos R$ 600,00 durante três meses a quem estiver aguardando a concessão do BPC. 

 

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar

NO AMARELINHO VOCÊ CONSEGUE CONTATO DIRETO COM O EMPREGADOR.

Últimas Notícias