Governo deve lançar decreto para aumentar empregos para jovens

Claudinei Nascimento

, Leis trabalhistas

Contrato de Impacto Social deve ser anunciado em setembro e mira jovens de baixa renda, com idade entre 18 e 24 anos.

 

O governo federal prepara, provavelmente para este mês, a abertura de licitação de um Contrato de Impacto Social (CIS), um modelo que visa aumentar a chance de emprego de jovens de baixa renda (meio salário mínimo por pessoa da família) e com idade entre 18 e 24 anos.   

Rodrigo Dib, diretor executivo do Instituto ProA, que trabalha na capacitação e inserção de jovens no mercado.

A Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, que deverá estar à frente da iniciativa, não dá detalhes sobre o contrato. Porém, em seminário realizado na sede do CIEE, em São Paulo, no dia 20 de agosto, Rodrigo Zerbone, subsecretário de capital humano do Ministério, ressaltou a necessidade de se pensar na ampliação da qualidade da mão de obra juvenil, para que haja um maior engajamento das empresas e, consequentemente, uma inserção mais elevada deste público no mercado de trabalho. 

Parece ser uma prévia do CIS, onde uma organização privada será responsável por qualificar mil jovens, atuando para que eles consigam trabalho e se mantenham nas vagas por pelo menos quatro meses.  O contrato prevê também que um avaliador independente possa comprovar se as metas foram cumpridas, a fim de aumentar a efetividade das políticas públicas. 

 

Avaliação 

Para Rodrigo Dib, diretor executivo do Instituto ProA, que trabalha na capacitação e inserção de jovens no mercado de trabalho, o novo modelo de contrato proposto pelo governo traz como diferencial o fato do  resultado final ser auferido e medido. “Ver nossas políticas públicas pensando em projetos que visem impacto efetivo, resultado mensurável e concreto é um avanço e uma inovação”, diz. 

De acordo com o momento atual do país, Dib ressalta a importância de haver mais projetos que aumentem as possibilidades dos jovens se qualificarem e ingressarem no  mercado de trabalho. “O CIS é um caminho a ser percorrido. Para um primeiro piloto, vejo como um movimento interessante. Porém, ele precisa ser testado e acompanhado”, afirma. 

 


Publicidade

Publicidade

Publicidade