É preciso fazer contas para se aposentar

11 de março de 2019

Escrito por: Kazuhiro Kurita

Trabalhadores com dois anos para atingir o tempo mínimo de contribuição para a Previdência podem pedir aposentadoria pela regra atual, considerando o fator previdenciário.

Quem já trabalha e contribui com a Previdência Social, agora está em uma sinuca de bico, principalmente aqueles que estão prestes a se aposentar. A reforma previdenciária proposta pelo governo Bolsonaro e que está tramitando na Câmara dos Deputados prevê três regras de transição, válidas até 2033, para os profissionais que planejavam sua aposentadoria por tempo de contribuição.

O trabalhador que já atingiu a regra 86/96 não corre risco, pois seu direito à aposentadoria integral está garantido. No entanto, pelas normas de hoje, é possível também se aposentar sem idade mínima se cumprir 35 anos de contribuição (homens) e 30 (mulheres). Quem já alcançou este tempo mínimo, poderá pedir a aposentadoria a qualquer tempo, com o benefício calculado pelo fator previdenciário, que aumenta com a idade e o tempo de contribuição.

Para Tonia Galleti, consultora jurídica da Central Nacional dos Advogados e Pensionistas do Brasil (Centrape), o ideal neste caso é consultar um especialista, embora a tabela do fator previdenciário deste ano possa ser conferida no site da Previdência, através do link https://bit.ly/2H8mmgT. “Se uma trabalhadora tiver 28 anos de contribuição na data de promulgação da nova lei, significa que faltam dois anos para completar o tempo mínimo de 30 anos. Ela poderá se aposentar sem a nova idade mínima, mas terá de cumprir um pedágio de 50% sobre o tempo que falta. Ou seja, os dois anos viram três, totalizando 31 anos”, explica.

Segundo a consultora, este caso se enquadra na primeira regra, que considera o fator previdenciário com pedágio. “Ela é a adequada para quem tem menos de dois anos para o cumprimento do tempo mínimo de contribuição. No entanto, quem está próximo da aposentadoria, mas ainda faltam mais de dois anos, sai prejudicado, pois não se enquadra nesta regra e terá de optar por uma das outras duas”, afirma.

Tonia cita como exemplo uma mulher com 33 anos de contribuição e 45 anos de idade. “Como é muito nova ainda, a sua única opção é se aposentar usando o fator previdenciário, que nunca deve ser considerado uma loteria. É preciso fazer as contas detalhadamente. Ela vai ter uma perda de cerca de 35% de seu benefício mensal se requerer a aposentadoria agora. Pela reforma, teria de esperar mais 17 anos para completar a idade mínima de 62, quando teria 50 anos de contribuição. É preciso fazer uma projeção para ver se abrir mão desses 35% compensaria os 17 anos de espera”, avalia a especialista.

A segunda regra trata da idade mínima e envolve parte dos homens com ao menos 58 anos e mulheres com 51 anos em 1º de janeiro de 2020. Por ela, é preciso um mínimo de 35 anos de contribuição para homens e 30 para mulheres. Neste caso, é necessário cumprir idade mínima de 61 anos (homens) e 56 (mulheres), com aumento de seis meses por ano até chegar a 65 (homens) e 62 (mulheres). O cálculo do benefício é pela proposta da reforma, e começa de 90% para homens com 35 anos de contribuição e 80% para mulheres com 30 anos de recolhimento. A cada ano a porcentagem sobe 2% até chegar a 100% com 40 anos de contribuição.

A regra três prevê um sistema de pontos, onde entram homens com, no mínimo, 27 anos de contribuição e mulheres com 25 anos em 1º de janeiro do ano que vem. Ela prevê também contribuição mínima de 35 anos (homens) e 30 anos (mulher). São somados o tempo de

contribuição e a idade e o resultado deve ser de 86 pontos (mulher) e 96 (homens), com acréscimo de um ponto por ano, até chegar a 100 (mulher) e 105 (homens). A cada ano de contribuição se somam dois pontos e a partida é de 90% dos benefícios para homens com 35 anos de contribuição e 80% para mulheres com 30 anos de contribuição, acrescentando-se 2% por ano até chegar a 100% com 40 anos de contribuição.

Tonia considera que a reforma poderia ser mais flexível, mesmo porque, fazendo uma analogia ao futebol, está se mexendo no regulamento com o campeonato em andamento. “Talvez pudesse ser aplicada para quem entrar ou está há 10 anos na labuta”, diz.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar

NO AMARELINHO VOCÊ CONSEGUE CONTATO DIRETO COM O EMPREGADOR.

Últimas Notícias