Passagens sobem mais que inflação

7 de janeiro de 2019

Escrito por: Kazuhiro Kurita

O aumento já está valendo para os ônibus e trens e metrô serão reajustados no dia 13 de janeiro.

Os desempregados vão ter que penar ainda mais para procurar uma colocação. As passagens de ônibus, metrô e CPTM vão custar R$ 4,30 a partir deste mês. O reajuste é de 7,5% e a integração dos trens com os ônibus aumentará para R$ 7,48. No entanto, o valor da integração ônibus + trens entre os dias 7 e 12 de janeiro será de R$ 7,21, e a partir da 0h do dia 13 de janeiro será de R$ 7,48.

O aumento dos ônibus já começou a valer nesta segunda-feira, dia 7 de janeiro, e as tarifas do metrô e CPTM serão reajustadas a partir do dia 13. O índice do aumento da tarifa é maior que a inflação, que deve fechar o ano de 2018 em 3,69%. Em nota, a Prefeitura alega que por dois anos a passagem não teve qualquer reajuste, mantendo-se em R$ 3,80, impactando o orçamento. “Em 2018, houve um aumento abaixo da inflação, elevando o valor para

R$ 4,00. Agora, a Prefeitura realiza uma necessária adequação da receita para reduzir o desequilíbrio do sistema”, diz o documento.

Quem carregar o bilhete até 23h59 do dia 6 de janeiro pode viajar de ônibus com a tarifa antiga até o fim do crédito. O Bilhete Mensal para ônibus ou trens passa para R$ 208,90 (comum) e R$ 323,80 (integrado) e o Bilhete Diário, válido por 24 horas, aumentará para R$ 16,40 (comum) e R$ 21,60 (integrado).

Protesto

O Movimento Passe Livre (MPL) vai realizar uma manifestação contra o reajuste no próxima quinta-feira, dia 10 de janeiro, às 17h. A concentração será na Praça Ramos de Azevedo, no Centro de São Paulo. A divulgação do protesto está sendo feita nas páginas das redes sociais do movimento, que ganhou visibilidade em 2013, quando convocou manifestações contra o reajuste de R$ 3,00 para R$ 3,20.

Em seu portal, o MPL alega que o aumento é o dobro da inflação. “Além disso, dessa vez, foram também cortados os subsídios para o vale-transporte, intensificando a precarização da vida e do trabalho”, diz um trecho do texto. Na verdade, o corte do subsídio atinge apenas as empresas, que passarão a pagar R$ 4,57 por viagem. O trabalhador continuará com o desconto de 6%.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar

NO AMARELINHO VOCÊ CONSEGUE CONTATO DIRETO COM O EMPREGADOR.

Últimas Notícias