Faculdade de Medicina da USP dá aulas de graça

Kazuhiro Kurita

, Empregos

O objetivo é preparar estudantes de baixa renda para enfrentar o desafio de entrar em uma universidade pública de qualidade, segundo Victor Braga de Oliveira, presidente do MedEnsina.

Jovens de famílias de baixa renda têm a oportunidade de se preparar para os vestibulares mais concorridos das principais universidades públicas do País através do MedEnsina. Trata-se de um cursinho pré-vestibular gratuito organizado por alunos da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) em parceria com o Sistema de Ensino Poliedro, responsável pelo material didático.

O curso é oferecido em regime extensivo, apresentando todo o conteúdo exigido pelos principais vestibulares e destinado a todos os cursos, não apenas para Medicina. As aulas regulares são ministradas de segunda a sexta-feira, das 18h45 às 22h40, nas dependências da FMUSP. Os alunos contam também com atividades extras, como reforço e plantões de dúvidas, além de simulados, tutoria, visitas culturais e outros eventos.

As inscrições para o processo seletivo podem ser feitas pela internet (http://medensina.com/) até 16 de janeiro ou presencialmente nos dias 9 e 13 de janeiro, das 9h às 13h ou das 14h às 17h, na Secretaria do MedEnsina (Avenida Dr. Arnaldo, 455, Cerqueira César, ao lado do Metrô Clínicas). A taxa de inscrição é de R$ 30,00.

A seleção dos candidatos para as 260 vagas será feita em duas etapas. Primeiro, será realizada uma prova de múltipla escolha, composta por questões de conhecimentos gerais do ensino médio, no dia 20 de janeiro. A segunda fase consiste em uma avaliação socioeconômica. Os estudantes com as melhores pontuações serão chamados para realizar as inscrições.

Segundo o presidente do MedEnsina, Victor Braga de Oliveira, a avaliação socioeconômica tem um peso muito maior que a prova. “Ela representa cerca de 80% no processo seletivo”, explica, acrescentando que é mantido um cadastro reserva para preenchimento das vagas dos desistentes. Como o curso é extensivo, indo de fevereiro a dezembro, as evasões são inevitáveis.

Oliveira garante que os aprovados contam com um time de professores qualificados, alunos voluntários da FMUSP. “São colegas que acreditam na democratização do ensino e contam com um material de qualidade, trabalhando o conhecimento de forma progressiva e linear, fornecendo uma base de conteúdos até atingir as matérias mais complexas solicitadas no vestibular”, afirma ele.


Publicidade

Publicidade

Publicidade