Contrato Verde e Amarelo mexe ainda mais com as leis trabalhistas

26 de março de 2020

Escrito por: Claudinei Nascimento

Relatoria do Congresso aprovou, com pequenas modificações, a medida provisória que cria o contrato, que vai agora para análise final da Câmara e Senado.

 

Com algumas alterações, a comissão mista do Congresso aprovou, em 17 de março, a Medida Provisória (MP) 905/2019, que cria o Contrato Verde e Amarelo, proposto inicialmente pelo presidente Jair Bolsonaro com a  justificativa de gerar 1,8 milhão de vagas para jovens entre 18 e 29 anos até o ano de 2022, com ganho limitado a 1,5 salário mínimo por mês (R$ 1.567,50). Porém, a comissão decidiu incluir também pessoas com mais de 55 anos, desde que estejam sem vínculo formal de trabalho há mais de 12 meses. 

Entretanto, para subsidiar o programa, o contrato, que pode durar até dois anos, prevê alteração de diversos pontos das leis trabalhistas. Reduz, por exemplo, a alíquota de contribuição para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) de 8% para 2% e a multa do FGTS em caso de demissão sem justa causa de 40% para 20%, além de isentar o pagamento da contribuição previdenciária patronal, do salário-educação e da contribuição social para as entidades do Sistema “S”. 

A proposta original do governo também previa a taxação obrigatória do seguro-desemprego, que sofreria desconto de 7,5% como contribuição previdenciária ao INSS (hoje os trabalhadores são isentos). Entretanto, a comissão decidiu que essa contribuição passa a ser opcional. Em caso de autorização do desconto, o desempregado terá o tempo contado para a aposentadoria. 

O texto original da MP determinava ainda um limite de 20% de contratos sob essas regras, mas a comissão aprovou a elevação para 25%, por conta da inclusão da admissão de pessoas a partir dos 55 anos. O limite anterior, no entanto, ainda é o mesmo para empresas com até dez funcionários.  

O contrato prevê ainda que o pagamento de adicional de periculosidade pelo empregador ocorrerá apenas se a exposição ao risco superar 50% da jornada de trabalho. Além disso, o trabalho aos domingos e feriados fica autorizado, desde que o descanso semanal ocorra na mesma semana.  

Agora, a MP precisa ser aprovada pela Câmara e pelo Senado até o dia 20 de abril, para não perder a validade. 

 

 

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar

NO AMARELINHO VOCÊ CONSEGUE CONTATO DIRETO COM O EMPREGADOR.

Últimas Notícias