Confira o que muda na aposentadoria

31 de outubro de 2019

Escrito por: Claudinei Nascimento

Após a aprovação em segundo turno pelo Senado, no dia 23 de outubro, falta apenas a promulgação da reforma, que mexe profundamente com os direitos previdenciários dos trabalhadores.

Agora é oficial. O Senado Federal aprovou oficialmente a reforma da Previdência na quarta-feira, dia 23 de outubro. A única mudança foi a retirada de trecho que impedia a aposentadoria especial para quem trabalha em situação de periculosidade. Finalizadas todas as etapas de votação, falta somente a promulgação pelo próprio Congresso Nacional para a reforma virar lei, o que deve acontecer em novembro. 

O governo federal acredita que a reforma vai significar uma economia de R$ 800 bilhões no período de 10 anos. Entretanto, por meio de uma medida dura para o trabalhador, como aponta André Luiz Moro Bittencourt, especialista e consultor previdenciário. “A reforma afeta a vida do trabalhador porque obriga ele a mudar a forma de pensar sobre a previdência social. A maioria da população pobre e que começa a trabalhar muito cedo tinha na aposentadoria por tempo de contribuição (30 anos para mulheres e 35 aos homens) a garantia de uma renda mensal, independentemente da faixa etária e isso não vai mais ser possível, a não ser que se enquadre em uma das regras de transição. “No futuro, vamos ter pessoas sem renda por não ter trabalho e sem direito ao benefício, ao menos até que se complete a idade. Vamos ter que discutir mais adiante o que fazer para que elas tenham uma vivência digna, algo previsto na Constituição.” 

Diante dessa realidade, Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) e da DSOP Educação Financeira, observa que muitos trabalhadores estão inseguros com o próprio futuro, mas realmente será necessária uma mudança de mentalidade. “O brasileiro deve ter ciência de que, além da aposentadoria pública, ele terá que pensar na privada, pois se hoje o dinheiro já não é o bastante para sobrevivência da maioria dos aposentados, com as mudanças será mais difícil ainda.” 

Opiniões à parte, é hora de rever o que muda na Previdência Social.  

Idade mínima: passa a ser de 62 anos para as mulheres e 65 para os homens, exceto para as funções de professores (57 anos) e policiais federais, rodoviários federais e legislativos (55). Para trabalhadores em situação de insalubridade, como vigilantes e eletricistas, deve ser aprovado um projeto de lei em 15 dias, ainda sem definição de faixa etária.  

Tempo de contribuição: o tempo mínimo de contribuição previdenciária será de 15 anos para as mulheres e 20 para os homens. Para o setor público, será de 25 anos para ambos os sexos.  

Abono salarial: o pagamento continua para os trabalhadores com renda de até R$ 1.996,00. 

Cálculo das aposentadorias: vai ser levado em conta a média de 100% dos salários de contribuição. Para homens, com 20 anos de contribuição, e mulheres, com 15, o benefício será de 60%, subindo 2 pontos percentuais para cada ano a mais contribuído. 

Valor da aposentadoria: não poderá ser superior a R$ 5.839,45, nem inferior ao salário mínimo (R$ 998,00). 

Novas alíquotas do INSS: quem ganha até um salário mínimo pagará 7,5%. Do piso até R$ 2.000,00, a alíquota passa a 9%, e o limite será de 11,68%. Para servidores públicos, a alíquota vai variar de 7,5% a 16,79%.   

Aposentadoria rural: idade mínima de 55 anos para mulheres e 60 para homens, com, no mínimo, 15 anos de contribuição. 

Pensão por morte: o benefício passa a ser de 60% do salário recebido pelo segurado, mais 10% por dependente adicional. Como exemplo, se o beneficiário tiver dois dependentes, o pagamento será de 70%, chegando até o limite de 100%. Há a garantia de pelo menos um salário mínimo, caso não haja outra fonte de renda.  

Benefício de Prestação Continuada: idosos em situação de pobreza a partir dos 65 anos e pessoas com deficiência, sem limite de faixa etária, continuam a receber um salário mínimo.  

Salário-família e auxílio-reclusão: os beneficiários devem ter renda de até R$ 1.364,43. 

 

Legenda da foto em destaque: Com 60 votos favoráveis e 19 contra, reforma foi aprovada pelo Senado.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar