Novo decreto deve gerar mais vagas de trabalho temporário neste final de ano

21 de outubro de 2019

Escrito por: Claudinei Nascimento

Para a Associação Brasileira do Trabalho Temporário, regulamentação traz segurança para empresários que querem contratar pela modalidade e confirma direitos do trabalhador.

 

Assinado no dia 14 de outubro, o decreto 10.060/2019, que regulamenta a lei de trabalho temporário, vigente desde 1974, deve gerar mais vagas formais de trabalho, segundo a Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem). 

Antes do decreto, já se trabalhava com um aumento de 13,86% no número de postos de trabalho temporário neste último quadrimestre em relação ao mesmo período do ano passado. Agora, estima-se um incremento de 10% sobre os números anteriormente divulgados. “O decreto define alguns pontos importantes da lei e deve trazer maior segurança jurídica para contratações por essa modalidade”, acredita a presidente da Asserttem, Michelle Karine.  

O decreto define de maneira mais clara o que é um trabalho temporário, o diferenciando de outras modalidades, como a terceirização. “O trabalho temporário é prestado por uma pessoa física (trabalhador) em uma empresa contratante, a partir da intermediação de uma agência autorizada pela Secretaria do Trabalho do Ministério da Economia. Já a terceirização é um serviço prestado por pessoa jurídica”, explica Michelle. 

A presidente da Asserttem, Michelle Karine, aprovou novo decreto.

O decreto confirma um ponto que já havia sido alterado na reforma Trabalhista de 2017, permitindo que um contrato tenha prazo máximo de 180 dias, prorrogados por mais 90, e somente em duas condições: para demanda complementar de serviços não contínua e permanente (principalmente em épocas, como Páscoa, Dia das Crianças, Natal etc.) e na necessidade de substituição transitória de pessoal permanente (no caso de férias, licença-maternidade, entre outras situações). 

 

Direitos 

Os direitos do trabalhador temporário também compõem o decreto. Eles devem receber remuneração equivalente à recebida pelos empregados da categoria ou efetivos que desempenhem a mesma função; têm assegurado o pagamento de férias proporcionais no caso de dispensa sem justa causa, pedido de demissão ou término normal do contrato; direito ao FGTS, benefícios e serviços da Previdência Social; jornada de  trabalho de, no máximo, oito horas diárias, com remuneração acrescida de 50% para horas excedentes e de, no mínimo, 20% para atuação no período noturno. 

Em relação à CLT, o trabalhador tem, na Carteira, apenas uma anotação de sua condição de temporário, não tendo direito a aviso prévio nem à multa de 40% sobre o FGTS. “Se o trabalhador estiver recebendo o seguro-desemprego e for contratado como temporário, o benefício é suspenso e ele volta a receber as parcelas faltantes no fim do contrato, a menos que seja efetivado”, finaliza Michelle.       

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar