As normas de segurança do trabalho salvam vidas

17 de junho de 2019

Escrito por: Kazuhiro Kurita

Foto: Para o advogado trabalhista Rogério Mazza, as normas garantem um ambiente de trabalho mais seguro.

Desde a Revolução Industrial, por causa da implantação dos meios de produção de grande escala em locais inadequados para o trabalho e sem legislação trabalhista, o número de acidentes, mortes, mutilações e doenças disparou. Diante deste quadro, iniciou-se uma busca por maior organização do ambiente de trabalho. No Brasil, começaram a pensar sobre isso na década de 1920 devido a industrialização, mas as normas regulamentadoras (NR) de segurança e saúde do trabalho surgiram em meados de 1970. Hoje, existem 36 NRs com a finalidade de regulamentar as obrigações, direitos e deveres para garantir um ambiente de trabalho seguro e sadio. Estas normas são elaboradas pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, juntamente com empresas, sindicatos e trabalhadores.

O presidente Jair Bolsonaro, em maio, através de suas redes sociais, informou que reduzirá em 90% estas normas por questões de adaptação e custos aos empregadores. Segundo ele, “há custos absurdos para empresas em função de uma normatização bizantina, anacrônica e hostil”. A declaração resultou em uma preocupação dos trabalhadores, dos sindicatos, dos profissionais da segurança do trabalho e advogados trabalhistas, pois, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o país ocupa o 4º lugar no ranking de acidente de trabalho, afastamentos e aposentadorias por invalidez. No Brasil, existem, em média, um acidente de trabalho a cada 43 segundos e uma morte a cada três minutos e 43 segundos, de acordo com a publicação da revista Carta Capital, com dados do Ministério Público do Trabalho (MPT).

Ocorre que a adequação das NRs é um investimento no âmbito empresarial e social e não um custo operacional, pois a utilização correta de equipamentos de proteção (EPI) e coletivo (EPC), devidamente registrado no MTE com o certificado de aprovação (CA) válido, resulta em diminuição do pagamento de adicionais de insalubridade e indenizações pelos empresários, bem como na diminuição dos gastos públicos com hospitais, auxílio-doença, acidentes do trabalho, doenças acidentarias, afastamentos e aposentadorias precoces no Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), entre outros.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar