Assistência não faz parte do sistema previdenciário

11 de junho de 2019

Escrito por: Kazuhiro Kurita

Professor Moises Balestro diz que não se pode incluir benefícios na conta do sistema previdenciário por não serem contributivos.

A reforma da Previdência vem tomando conta do Congresso Nacional, onde governistas e oposicionistas discutem se há a necessidade ou não de mudanças no sistema previdenciário. No entanto, o doutor em Ciências Sociais Moises Balestro, professor da Universidade de Brasília (UnB), diz que há uma tentativa de embutir equivocadamente a assistência social no débito da Previdência. A afirmação foi feita durante o seminário internacional realizado pela Confederação Nacional de Trabalhadores nos Serviços de Limpeza (Conascon), em São Paulo.

Para o professor, programas como o Benefício de Prestação Continuada (BPC), uma renda no valor de um salário mínimo para pessoas com deficiência de qualquer idade ou idosos que apresentam impedimentos de longo prazo, e o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural) à Previdência Social não podem ser computados nos gastos previdenciários, pois não são sistemas contributivos. Segundo ele, trata-se de uma rede de proteção social mínima, como o Bolsa Família. “A base da Previdência é a solidariedade tripartite, envolvendo empresa, governo e trabalhador. Esses programas são obviamente deficitários, pois não têm caráter de arrecadação, mas proporcionam um alívio à pobreza para quem justamente não tem condições de contribuir. Se BPC e Funrural fossem retirados dos cálculos, o saldo negativo não existiria”, explica Moisés.

Sistema de capitalização

Outro ponto levantado no seminário foi o sistema de capitalização defendido pelo ministro da Economia Paulo Guedes como a única saída para não haver um colapso financeiro do Brasil. O presidente da Conascon, Moacyr Pereira, lembra que a capitalização tem sido alvo de muitas críticas da população chilena e de outros países onde foi adotada. “Precisamos de diálogo e colocar outra proposta em discussão. O caso chileno de capitalização, defendido por Paulo Guedes, fracassou. E essa não é uma constatação minha, mas de economistas do mundo inteiro e da Organização Internacional do Trabalho (OIT)”, afirma.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar

NO AMARELINHO VOCÊ CONSEGUE CONTATO DIRETO COM O EMPREGADOR.

Últimas Notícias