Presidente eleito diz que Ministério do Trabalho vai acabar

13 de novembro de 2018

Escrito por: Redação O Amarelinho

O órgão será anexado a uma outra pasta ou transformado em secretaria ligada à Presidência da República.

O Ministério do Trabalho (MTb) está com os dias contados. O recém-eleito presidente da República Jair Messias Bolsonaro confirmou que o órgão deixará de existir e será absorvido por outro ministério. A afirmação foi feita durante entrevista coletiva no Superior Tribunal de Justiça (STJ) na quarta-feira, dia 7 de novembro.

Ministério do Trabalho pode ser incorporado a outro (Foto: Divulgação/MTb)

Embora ainda não esteja definido o futuro do Ministério do Trabalho, a declaração vem causando reações de órgãos ligados aos trabalhadores. Segundo o presidente do Sindicato dos Auditores Fiscais do Trabalho, Carlos Silva, ao mesmo tempo que vem acompanhando pela imprensa as declarações do presidente eleito, a entidade busca um diálogo com a equipe de transição. “Queremos uma oportunidade para contribuir em uma decisão de tamanha repercussão e magnitude”, afirma.

Para ele, é preocupante que a declaração de extinção do Ministério não venha acompanhada de detalhes sobre os desdobramentos dos serviços prestados pelo órgão, principalmente pela Auditoria-Fiscal do Trabalho. “A Auditoria-Fiscal do Trabalho concentra tanto a competência da fiscalização do FGTS, da contribuição social e do Seguro-Desemprego, quanto a da inspeção dos ambientes de trabalho, com ênfase na redução dos acidentes e adoecimentos, que tanto impactam nas despesas públicas previdenciárias e de saúde”, defende Carlos Silva.

Por outro lado, o presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Antonio Neto, é mais enfático em relação à extinção do MTb. Segundo ele, esta possibilidade faz parte do pacote de retrocesso imposto nos direitos dos trabalhadores, que começou com a reforma trabalhista. “Entendemos que esse caminho não é o correto para promover o desenvolvimento, a geração de empregos e a distribuição de renda. Defendemos a promoção do diálogo, a proteção do lado mais fraco nas relações trabalhistas, a manutenção dos direitos e, nesse sentido, o fortalecimento do Ministério do Trabalho para atuar como protagonista deste processo”, argumenta.

Compasso de espera

O diretor técnico do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), Clemente Ganz Lúcio, prefere aguardar mais detalhes sobre o assunto, o que ainda não foi fornecido pela equipe do presidente eleito. Para ele, é preciso avaliar se a reorganização terá como objetivo fortalecer políticas de geração de emprego e de proteção social ao trabalhador. Por enquanto, qualquer avaliação ficará no terreno da especulação. No entanto, Ganz Lúcio analisa que acabar com o Ministério é simbolicamente ruim, pois significa se desfazer de uma dimensão estruturante do desenvolvimento econômico.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar