Jovem cria projeto para empoderar meninas negras

10 de março de 2020

Escrito por: Claudinei Nascimento

Isabelle Christina quer possibilitar desenvolvimento acadêmico, profissional e cultural para este perfil de público.

 

Isabelle Chistina e a mãe Regiane Santos, criadoras do “Meninas Negras”

Jovem, negra, 17 anos, moradora da periferia. Esta é Isabelle Christina dos Santos Silva, uma garota que tem feito a diferença em um mundo onde a maioria das pessoas com esse perfil tem poucas oportunidades para se desenvolver nos campos do estudo e trabalho. 

E é para atender a este público que ela, ainda com 14 anos, criou com a mãe Regiane Santos o projeto Meninas Negras (@projetomeninasnegras), apoiado em três pilares de desenvolvimento: acadêmico, profissional e cultural.
Para alcançar os resultados, Isabelle tem conseguido que empresas abram portas, especialmente as que têm a inovação e tecnologia em seu DNA e lidam bem com a diversidade. “Este perfil de organização se mostrou mais aberta ao projeto. Por isso, nossas ações acabam tendo um forte viés tecnológico, que tem transformado o mundo do trabalho”, destaca.  

Para entender a iniciativa de Isabelle, entretanto, é preciso conhecer um pouco mais de sua história de vida. Com apoio da mãe, ela foi preparada para ter um futuro brilhante. Começou a ser alfabetizada aos dois anos de idade. O potencial desenvolvido ao longo da vida permitiu que estudasse como bolsista em escolas particulares desde a quarta-série do ensino fundamental. Em uma dessas instituições, participou de um intercâmbio nos Estados Unidos, aos 13 anos de idade. “Nesses ambientes, porém, observava que era a única menina negra e voltei com a ideia fixa de que precisava fazer algo que transformasse a vida de jovens negras, entre 12 e 24 anos, que moram na periferia, mas que, infelizmente, não tiveram as mesmas oportunidades que eu”, declara. 

 

Desafio

Assim, surgiu o projeto, uma iniciativa que tem impactado a vida de jovens e desafiado as estatísticas de um mercado que as priva de muitas oportunidades por questões raciais e econômicas.  

Isabelle diz que foi criada para sonhar grande e, apesar de manter o foco preferencialmente em meninas negras,  ela quer avançar ainda mais com o projeto e trabalha para a criação de uma ONG que possa gerar aporte financeiro para ampliar o atendimento. Hoje, temos 35 participantes, mas há outras duas mil pessoas querendo fazer parte da iniciativa. “Quero criar uma ponte entre a periferia e o mundo corporativo”, afirma Isabelle que, paralelamente, coordena um trabalho para desenvolver talentos negros em uma empresa gigante da área da Tecnologia.  Mais um sinal de que, para ela, verdadeiramente o céu parece ser o limite.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar

NO AMARELINHO VOCÊ CONSEGUE CONTATO DIRETO COM O EMPREGADOR.

Últimas Notícias