Negros ainda são discriminados no mercado de trabalho

20 de janeiro de 2020

Escrito por: Claudinei Nascimento

Números do IBGE mostram que empresas ainda não estão conseguindo reverter quadro de desigualdade racial.

 

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou números que reforçam como a população negra ainda sofre preconceito no mercado de trabalho. 

Os pretos ou pardos representam 64,2% da população desocupada e 66,1% da população subutilizada. Enquanto 34,6% dos trabalhadores brancos estão em ocupações informais, entre os pretos ou pardos esse percentual sobe para 47,3%. 

Luís Santana sofreu preconceito por conta da cor da pele, no início da carreira.

O rendimento médio mensal das pessoas brancas ocupadas (R$ 2.796) é 73,9% superior ao da população negra (R$ 1.608) e os brancos com nível superior completo ganham 45% a mais por hora do que os negros com o mesmo nível de instrução. Além disso, os pretos ou pardos representam 75,2% do grupo formado pelos 10% da população com menores rendimentos e apenas 27,7% dos 10% da população com as maiores remunerações. 

Para José Vicente, reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares, apesar de se discutir muito a diversidade, o quadro mostra que as organizações não estão conseguindo reverter esse cenário de desigualdade e são necessários disposição, interesse e comprometimento para mudar esta situação. “A transformação passa pela cabeça das pessoas”, diz. 

 

Na pele 

No início de sua carreira, Luís Santana sentiu na pele o que é sofrer preconceito por causa da cor. Ele atuava como técnico de suporte e estava fazendo testes numa impressora fiscal. “A impressora estava numa mesa conectada por um cabo num computador em outra mesa. Pelo fato de não colocar a impressora ao lado do computador, o filho do dono de um pequeno mercado disse que eu estava fazendo serviço de preto”, diz. 

O fato marcante serviu de motivação para Santana continuar fazendo sempre o melhor. A origem humilde também não foi empecilho para seguir adiante. Se formou em Análise de Sistemas, fez pós-graduação em Desenvolvimento Web e hoje é desenvolvedor líder na ROIT, empresa de contabilidade e tecnologia localizada em Curitiba. 

Para ele, os dados do IBGE reforçam o fato de historicamente os negros não terem as mesmas oportunidades de ascensão que os brancos. Mas ele acredita que algumas empresas, como a própria ROIT, tem respeitado e valorizado mais as diferenças. “Porém, o preconceito ainda é uma realidade. Muitas pessoas nos olham com dó e pena, outras com desprezo e preconceito, e esses sentimentos de menosprezo não são bons. É preciso um outro olhar pra mudar todo esse contexto”, finaliza. 

 

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar

NO AMARELINHO VOCÊ CONSEGUE CONTATO DIRETO COM O EMPREGADOR.

Últimas Notícias