Menos de 5% das pessoas com deficiência estão inseridas no mercado de trabalho.

30 de julho de 2019

Escrito por: Claudinei Nascimento
Cerca de 330 mil PcDs estão no mercado formal, em um universo de 7,7 milhões de profissionais aptos a trabalhar.
 
No último dia 24, a Lei de Cotas, que obriga empresas a partir de 100 funcionários a contratar pessoas com deficiência, completou 28 anos. Porém, de acordo com Victor Martinez, pedagogo e orientador do Serviço de Inclusão Profissional da APAE de São Paulo, a partir da promulgação da lei, em 1991, as empresas tiveram um tempo para se adaptar e a fiscalização se intensificou mesmo uma década depois. A partir daí, o número de contratações deu um salto. “Em 2001, tínhamos 601 pessoas com deficiência trabalhando no Estado de SP. Hoje, são cerca de 130 mil”, diz. 
Mas há muito a avançar nesta questão. Dados do Instituto Ethos apontam para 7,7 milhões de pessoas com deficiência em idade e condições de serem inseridas no Brasil. No entanto, aproximadamente 330 mil estão empregadas, ou seja, menos de 5% de toda esta força de trabalho.
Para avançar neste cenário, é imprescindível qualificar os PcDs. É aí que ganha importância instituições como a própria APAE, que dá assistência a pessoas com deficiência intelectual e transtorno de espectro autista, por meio de cursos em áreas como Administração, Cozinha e Logística. “Queremos que a inclusão seja produtiva e a pessoa com deficiência exerça protagonismo em seu trabalho”, declara Martinez.
A capacitação é também uma das premissas da Fundação Dorina Nowill para Cegos, que oferece cursos de Informática para o Mundo do Trabalho, Atendimento ao Cliente, Massoterapia e Empreendedorismo, voltados para quem tem baixa visão ou totalmente cegos. As inscrições podem ser realizadas pelo telefone 5087-0998 ou 5087-0994, com Victoria ou Rafael, ou e-mail cursos@fundacaodorina.org.br, canais onde é possível saber quais são os requisitos para fazer os cursos.
Coordenadora dos Serviços de Apoio à Inclusão Profissional da fundação, Kelly Magalhães Pereira diz que, além das competências técnicas, são trabalhados aspectos como a inteligência emocional, trabalho em equipe e dinamismo. “Nos preocupamos em entregar um profissional que atenda ao perfil exigido pelas organizações.”
Klauber Nardelli, 34 anos, é recém-formado no curso de Massoterapia. Acometido por um meningioma, ele perdeu totalmente uma visão e teve reduzida uma outra para 20% de sua capacidade. A depressão ficou para trás e hoje ele aposta alto. “Vou me aperfeiçoar e quero abrir minha própria clínica”, diz.
Já Diana de Assis, 39 anos, descobriu que tem a retinopatia de Stargardt, forma mais comum de degeneração macular juvenil congênita, que leva à perda progressiva da visão. Ela sempre trabalhou na área administrativa, mas se identificou com a Massoterapia e está certa de que quer esta transição profissional.
“Que haja transformação e que ela comece comigo. Não somos o que sabemos, somos o que estamos dispostos a aprender”, finaliza.
Klauber Nardelli e Diana de Assis, recém-formados em Massoterapia.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar

NO AMARELINHO VOCÊ CONSEGUE CONTATO DIRETO COM O EMPREGADOR.

Últimas Notícias