Negócio com propósito social

7 de outubro de 2019

Escrito por: Claudinei Nascimento

ONGs oferecem capacitação  profissional e transmitem princípios básicos de empreendedorismo para populações menos favorecidas abrirem o próprio negócio.

 

Pesquisa  realizada pela Global Entrepreneurship Monitor – GEM mostra que cerca de 50 milhões de brasileiros possuem um negócio próprio. Neste cenário, chama atenção o trabalho de entidades do terceiro setor que têm oferecido capacitação profissional e princípios básicos de empreendedorismo para parcelas menos privilegiadas da população.  

É o caso da Gerando Falcões, cujo lema diz muito sobre o assunto: “Derrubar muros e construir pontes é o nosso jeito de diminuir a distância entre a periferia e as oportunidades”. Trata-se de uma organização social que atua em periferias e favelas, com projetos diversos, como o de qualificação profissional para jovens e adultos, funcionando como um motor de geração de renda para famílias.  

Kelvy Aparecido da Conceição faz design de sobrancelhas.

Dessa forma, a ONG tem ajudado a transformar a vida de pessoas, como Kelvy Aparecido da Conceição, 23 anos. O espírito empreendedor veio já aos 18 anos, quando trocou o emprego formal para se dedicar a um curso de Design de Sobrancelhas. Entre idas e vindas e o desejo de ter um negócio próprio, o jovem conheceu a Gerando Falcões em 2018. Fez os cursos gratuitos de Maquiagem e Fotografia e, hoje, é um dos monitores da instituição, ensinando sobre design de sobrancelhas para alunos de uma comunidade da Vila Prudente, onde mora. “Compartilhar conhecimentos com quem realmente precisa é muito gratificante”, diz. 

Conhecer a Gerando Falcões, para Kelvy, foi fundamental por reforçar o seu espírito empreendedor, mas também por desenvolver sua autoestima e a vontade de vencer. “Hoje, tenho uma sede de querer mais e mais. Antes pensava: tenho potencial e pode dar certo. Hoje, digo a mim mesmo que vai dar certo.”  

Nesta busca pelo aprendizado, Kelvy, que terminou o ensino médio, quer agora se aperfeiçoar no visagismo (estudo dos traços do rosto) e na maquiagem profissional. E brinca ao ser questionado sobre os motivos que o levam a investir na área da Beleza. “O mundo pode acabar, mas as pessoas não querem ficar feias.” 

Empreendedorismo social  

O empreendedorismo social está no radar também do Instituto Besouro, que incentiva a abertura de negócios próprios para minorias, como jovens em situação de vulnerabilidade, mulheres, negros e LGBTs 

O objetivo da instituição é promover programas e capacitações que conduzam os integrantes ao desenvolvimento de suas potencialidades, renda e sonhos, priorizando práticas inovadoras e respeitando as pluralidades sociais.  

ONGs ajudam empreendedores sociais, como Aline Os, a colocar suas ideias de negócio em prática. Ela abriu uma empresa de entregas, contratando mulheres e LGBTs.

O propósito da instituição atraiu o interesse de Aline Os, 43 anos. Formada em Artes Plásticas e Fotografia, com mestrado em Poéticas Visuais, em 2013, ela dava aulas esporádicas em uma faculdade e cultivava o sonho de ser mãe. O desejo de empreender veio mesmo por uma necessidade, após a separação conjugal em 2015, quando chegou a entrar em um quadro de depressão.  

Como tinha verdadeira paixão por pedalar e coordenava um grupo de ciclistas no Projeto Selim Cultural, em São Paulo, ela conheceu o Besouro por meio do “Bike Negócio”. Com as orientações adquiridas, ela criou o Señoritas Courier, um sistema de entrega de documentos e pequenas encomendas por bike, com um diferencial: ela emprega somente mulheres e LGBTs
A escolha por esses públicos se deu por conta da discriminação que sofrem na sociedade e, consequentemente, no ambiente de trabalho, mesmo quando ele se dá nas ruas, como é o caso das profissionais da Señoritas Courier. “Ainda há muito preconceito com a mulher e, neste segmento de entregas, não é diferente. É uma área muito machista e somos constantemente provocadas no trânsito”, lamenta.   

Agora, Aline traça uma nova rota para o seu negócio. Desenvolver um aplicativo que possa otimizar o tempo e permitir a prospecção de mais clientes para empresa. Ela sabe que precisará de um investidor para ajudá-la nesta etapa, mas faz uma ressalva. “Busco alguém que acredite em nosso propósito, que entenda este olhar para as minorias e compartilhe a nossa linguagem”, afirma. 

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar

NO AMARELINHO VOCÊ CONSEGUE CONTATO DIRETO COM O EMPREGADOR.

Últimas Notícias