Dinheiro da rescisão precisa ser tratado com muito carinho

13 de novembro de 2018

Escrito por: Redação O Amarelinho

Em tempo de crise econômica e demora para conseguir uma recolocação, a ordem é procurar economizar o máximo possível.

Fruto do trabalho de anos, o dinheiro da rescisão deve ser objeto de muito cuidado. Dependendo do tempo de casa, o valor recebido pode provocar cócegas na mão, mas o trabalhador deve ter consciência de que um dia ele acaba, principalmente nesta época, quando uma recolocação pode demorar.

A primeira medida é fazer uma análise da situação financeira. Isto inclui fazer um levantamento das despesas mensais da família, separando os custos fixos e as dívidas e computar a entrada da renda de outros membros e do seguro-desemprego. E contar com a compreensão e apoio familiar, já que todos em casa precisam colaborar para enfrentar o novo desafio.

Diógenes Donizete, coordenador do Núcleo de Tratamento do Superendividamento do Procon São Paulo, diz que é recomendável criar uma planilha para anotar todas as entradas e todos gastos. E isto vale não só para o desempregado, mas para também para quem continua trabalhando. “Por meio dela, é possível enxergar para onde está indo o dinheiro e quanto está se gastando”, completa.

Coordenador do Núcleo de Tratamento do Superendividamento do Procon São Paulo, Diógenes Donizete (Foto: Kazuhiro Kurita)

Para o coordenador, a rescisão deve funcionar como uma garantia de sustento até a recolocação no mercado. Enquanto isso, o desempregado deve cortar tudo que for supérfluo, as despesas desnecessárias.

Segundo Donizete, mesmo nas despesas absolutamente necessárias, o ideal é economizar, gastar menos água e luz e não desperdiçar comida. “É fazer com que o dinheiro renda o mais tempo possível. Afinal, o desempregado tem de reorganizar o orçamento familiar adotando outro estilo de vida enquanto se adequa à nova realidade”, alerta.

Para quem estava acostumado ao conforto do carro, passar a andar de transporte coletivo para se deslocar é outra medida que pode ajudar a economizar. “Assim, não vai gastar combustível e estacionamento, além de não correr o risco de tomar uma multa ou se envolver em acidente. São despesas que não estão previstas, mas podem acontecer. O ideal é não dar chance para o azar e quanto mais rápido o trabalhador tomar estas atitudes, melhor. Não se deve ficar adiando com a esperança de uma recolocação rápida”, afirma o coordenador do Procon.

De acordo com o educador financeiro Henrique Xavier, tomadas as medidas sugeridas por Donizete, é hora de pensar o que fazer com o dinheiro. Conhecendo o valor das despesas, é necessário fazer uma reserva de emergência para ser sacada a cada mês até que se consiga outra fonte de renda. O recomendado é que ela cubra o mínimo de 12 meses, que é a média de tempo que um trabalhador está levando para conseguir uma recolocação em São Paulo. Xavier diz que é melhor pagar as prestações de imóvel ou carro como já estavam previstas.

Henrique Xavier, educador financeiro (Foto: Kazuhiro Kurita)

O educador financeiro lembra que Fundo DI e Tesouro Selic possuem alta liquidez e podem ser resgatados em um dia em geral. “Para investir com segurança, de modo conservador, o Tesouro IPCA é uma ótima opção. Aqui vai uma dica de ouro. Quanto menor for o valor do capital, maior a vantagem do tesouro direto em relação a planos de previdência”, diz Xavier.

Seguido todos os conselhos dos especialistas, agora é hora de pensar em se divertir, afinal ninguém é de ferro, mas sem fugir à nova realidade. Para isso, é necessário descobrir novas opções de lazer usando a criatividade, como ir ao parque com a família, pesquisar eventos culturais como museus e exposições ou até mesmo comparecer a shows e peças de teatro de graça.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar

NO AMARELINHO VOCÊ CONSEGUE CONTATO DIRETO COM O EMPREGADOR.

Últimas Notícias