Veja ações dos empreendedores para diminuir prejuízo na fase vermelha

Com o aumento das restrições a fim de conter o avanço do coronavírus, pelo menos 45% dos empreendedores de pequenos negócios do Estado de São Paulo afirmam que vão tomar alguma ação para tentar diminuir os prejuízos. É o que revela a pesquisa  “Os pequenos negócios e o coronavírus – Fase vermelha”, realizada pelo Sebrae-SP. Foram ouvidos 1.000 donos de micro e pequenas empresas (MPEs), incluindo Microempreendedores Individuais (MEIs), entre os dias 5 a 8 de março.

 

Entre as ações citadas pelos empreendedores estão: intensificar a higiene do ambiente de trabalho (50%), reduzir a mão de obra (40%), reduzir o estoque (29%), suspender as atividades (28%), home office (28%), demitir os funcionários (27%), intensificar ou implementar entregas (25%). Os que ainda não sabem se vão tomar alguma ação são 48% do total; já 7% dizem que não pretendem agir.  Até o dia 30 de março, todo o Estado está na fase vermelha do Plano São Paulo, em que só podem funcionar atividades essenciais.

 

Mais detalhes da pesquisa com empreendedores

Os empreendedores também foram questionados a respeito das ações no meio digital para compensar o período de restrições. Enquanto 23% responderam que vão intensificar o volume de vendas pela internet e 19% afirmaram que vão iniciar as vendas por esse meio, 39% disseram que não é possível vender pela internet na área de atuação em que estão e 20% declararam que não estão preparados para vender online.

 

“Alguns obstáculos que identificamos há cerca de um ano, no início da pandemia, ainda persistem, como a falta de preparação para vender pela internet. Em vista disso, temos intensificado nossos esforços para levar capacitação aos empreendedores neste novo período de restrições”, diz o diretor-superintendente do Sebrae-SP, Wilson Poit. 

 

Os efeitos da pandemia ao longo do último ano continuam a ter impacto direto nas finanças. Para 34%, está difícil se manter no mercado, enquanto que 33% declaram que não sabem o que vai acontecer. Por outro lado, 29% dizem que aprenderam novas formas de atuar na crise. Como soluções imediatas para ajudar os pequenos negócios no atual momento, os empreendedores propõem: isenção de alguns impostos por tempo determinado (24%), empréstimos facilitados (19%) e novos pagamentos de auxílio emergencial 13%). De acordo com o levantamento, 57% dos empresários têm dívidas no momento.

 

Opinião sobre as restrições

Em relação às restrições impostas, a opinião dos empreendedores tende para a discordância: aqueles que discordam totalmente e discordam parcialmente somam 52%; já os que concordam totalmente ou parcialmente somam 44% – os que não sabem são 4%.

 

Analisando os números mais detalhadamente, as mulheres (47%) concordam mais que os homens (41%); a maior concordância está entre os empreendedores da Região Metropolitana de São Paulo (51%) e as maiores discordâncias estão entre os empreendedores do setor de comércio (57%) e os donos de Empresas de Pequeno Porte (60%).


Publicidade ba

Publicidade bpr

Publicidade bcr