Prefeitura de SP lança Pro-Aprendiz

22 de janeiro de 2020

Escrito por: Claudinei Nascimento

Iniciativa é parte de termo de cooperação, que prevê ampliação das oportunidades de inclusão de jovens e adolescentes entre 14 e 24 anos no mercado de trabalho.

 

Mais uma iniciativa para contribuir com o ingresso de jovens no mercado de trabalho. A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, lançou o Programa de Aprendizagem Pro-Aprendiz, para fomentar a contratação de aprendizes na capital.  

A iniciativa é parte do termo de cooperação assinado pela Prefeitura com o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, o Ministério Público do Trabalho da 2ª Região e a Auditoria Fiscal do Trabalho da Superintendência Regional do Trabalho no Estado de São Paulo, vinculada ao Ministério da Economia. Ele prevê o desenvolvimento de ações que ampliem as oportunidades de inclusão de adolescentes e jovens, entre 14 e 24 anos, nos programas de aprendizagem na capital.

O acordo pode minimizar uma situação difícil encontrada por jovens brasileiros. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), relacionados ao segundo trimestre deste ano, mostram que mais de um milhão de jovens de 14 a 17 anos não conseguem trabalhar e a taxa de desemprego nesse grupo chegou a 42,7% no primeiro trimestre do ano. Na faixa etária de 18 a 24 anos, a situação melhora um pouco. Mesmo assim, 26,6% estão fora do mercado, mais que o dobro da taxa de desocupação geral da população, que está em 11,6%. 

 

A secretária-adjunta, Ana Carolina Lafemina

Modelo 

A ação seguirá as regras da Lei da Aprendizagem. Ela determina que toda empresa de grande ou médio porte deve ter de 5% a 15% de aprendizes entre seus funcionários, excluindo os cargos gerenciais ou que demandem formação técnico-profissionalizante. Durante o período do contrato, de até dois anos, o jovem deve ser capacitado na instituição formadora e na empresa, ou seja, além de frequentar a escola, e exercer a prática no dia a dia de trabalho, o aprendiz precisa ter aulas teóricas. 

 “Ampliar políticas públicas que possam dar mais oportunidades aos jovens, que estão entre os mais fragilizados com o desemprego em nosso país, é um desafio que estamos buscando superar com essa iniciativa. Além das ações previstas pelo decreto, temos programas na Prefeitura que contribuem com a inserção do jovem no mercado de trabalho. Lançamos ainda nessa semana o portal do Cate na internet, a fim de alcançar este público que está sempre on-line e, com isso, incentivá-los a se qualificar nos cursos disponíveis na plataforma”, destaca a secretária-adjunta de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Ana Carolina Lafemina.

Para a gestora regional do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e Estímulo a Aprendizagem do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região – SP, Patrícia Therezinha de Toledo, as ações visam dar maior visibilidade à aprendizagem. “A Justiça do Trabalho tem ampla atuação no combate ao trabalho infantil e na inserção do jovem aprendiz no mercado de trabalho. Essa ação conjunta, de vários órgãos do sistema judiciário e da Prefeitura de São Paulo, contribui para dar novas esperanças para essas pessoas”, finaliza. 

 

 

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar

NO AMARELINHO VOCÊ CONSEGUE CONTATO DIRETO COM O EMPREGADOR.

Últimas Notícias