Síndrome de Burnout

30 de julho de 2019

Escrito por: Juliana Sanches
Pesquisa revela que transtorno atinge 32% dos profissionais com sintomas de estresse no Brasil. Psicóloga Andréa Chaves explica o que é, sintomas, possíveis tratamentos e dá dicas para gestores evitarem o problema no ambiente de trabalho.
Quantas vezes já se sentiu exausto, com dificuldades para se concentrar e lembrar das coisas, irritado, ansioso e desmotivado com tudo, principalmente no trabalho? Estes sintomas podem representar a Síndrome de Burnout, mas nem sempre o diagnóstico é tão claro. No Brasil, no entanto, quase um terço dos profissionais que sofrem com estresse são acometidos por esta síndrome.

Esta doença, já classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), é um estado físico, emocional e mental de exaustão extrema, resultado do acúmulo excessivo de trabalho. No Brasil, 72% das pessoas sofrem com estresse no trabalho, segundo a Associação Internacional de Manejo do Estresse (ISMA), entre as quais 32% têm Burnout, síndrome caracterizada pela sensação de não dar conta de tarefas, indiferença ao trabalho e baixa satisfação profissional.

O transtorno é comum em profissionais que atuam diariamente sob pressão e com responsabilidades constantes, como policiais, bombeiros, profissionais de saúde, médicos, professores, enfermeiros, operadores de bolsa de valores, analistas de sistema, entre outros.

Segundo a psicóloga Andréa Chaves, Especialista em saúde mental, psicologia cognitiva, comportamental e interpessoal, o problema é um estresse de caráter persistente vinculado a situações de trabalho, resultante da constante e repetitiva pressão emocional associada a um intenso envolvimento com pessoas por longos períodos. “Geralmente a síndrome acontece em ambientes corporativos e com grande carga de trabalho, além de ter a influência direta com a gestão do serviço”, avalia a profissional.

“Os principais sintomas da doença são esgotamento emocional, redução da realização pessoal no trabalho, insônia, taquicardia, tristeza permanente, falta de vigor, apatia social e despersonalização do profissional”, explica Chaves.

Quais tratamentos possíveis?

Para a psicóloga, a melhor forma de tratar a doença é auxílio psicoterápico e tratamento com médico especializado. “Se necessário, ele indicará intervenção medicamentosa adequada. Além disso, o ideal é que hajam iniciativas de manejo do ambiente opressor nas empresas sempre proporcionando o bem-estar dos funcionários”, esclarece.

5 dicas para gestores evitarem a incidência da Síndrome de Burnout nas empresas:

– Promover um relacionamento respeitoso entre os colaboradores e gestores da empresa

– Proporcionar manejo de metas e recompensas

– Dar sempre feedbacks construtivos

– Elaborar programas de cuidado com o funcionário

– Viabilizar momentos de descompressão (alongamentos, socialização entre os colaboradores, etc.)

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar

NO AMARELINHO VOCÊ CONSEGUE CONTATO DIRETO COM O EMPREGADOR.

Últimas Notícias