Pesquisa mostra que o número de devedores aumentou

21 de maio de 2019

Escrito por: Kazuhiro Kurita

Roque Pellizzaro Junior diz que é preciso disciplina para controlar o orçamento.

O Brasil encerrou abril com cerca de 62,6 milhões de pessoas negativadas. Este número representa 40% da população adulta brasileira. Por outro lado, o volume das dívidas teve uma queda de 1,23% no mês em comparação a igual período de 2018. A diminuição do valor das dívidas, em contraste com o avanço do número de devedores, resultou no recuo do número médio do saldo devedor.

Os dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revelam que a inadimplência cresceu 2,0% em abril na comparação com o mesmo período do ano passado. Os dados por setor apontam que a maior parte das pendências está ligada aos bancos, que envolvem dívidas com cartão de crédito, cheque especial, financiamentos e empréstimos. Em seguida aparecem os segmentos do comércio, de comunicações e de água e luz.

Segundo o presidente da CNDL, José Cesar da Costa, embora o crescimento da inadimplência ainda permaneça, nota-se que o ritmo desse avanço é menor e acontece em paralelo com o crescimento do saldo de crédito, segundo dados do Banco Central. “Por muito tempo, o aumento da inadimplência foi reduzido pela restrição do crédito. Agora, a desaceleração acontece em um contexto de retomada das concessões, o que indica um cenário melhor para mercado do crédito”, diz.

A estimativa por faixa etária revela ainda que o maior índice de negativados está entre o público de 30 a 39 anos. Em abril, mais da metade da população nesta faixa etária tinha o nome inscrito em alguma lista de devedores, somando um total de 17,7 milhões. Também merece destaque o fato de parte significativa da população entre 40 e 49 anos estar negativada “É justamente nessa fase da vida em que a corrida ao crédito acaba sendo inevitável, pois muitos já constituíram família, possuem filhos e assumem mais compromissos financeiros. Em um momento de crise, pode ser difícil equilibrar o orçamento se não houver controle e disciplina”, explica o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Publicidade ba

Mais conteúdos sobre

Outros conteúdos que você pode gostar

NO AMARELINHO VOCÊ CONSEGUE CONTATO DIRETO COM O EMPREGADOR.

Últimas Notícias