MEC define novas datas do Enem 2020

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2020 será realizado no começo de 2021. As novas datas foram divulgadas por Antonio Paulo Vogel, secretário-executivo do Ministério da Educação (MEC), em entrevista coletiva. Assim, as provas impressas serão aplicadas nos dias 17 e 24 de janeiro de 2021. Já a versão digital está marcada para 31 de janeiro e 7 de fevereiro. A reaplicação do exame ficou para os dias 24 e 25 de fevereiro, com resultados a partir de 29 de março. 

Mesmo diante do avanço do novo coronavírus pelo Brasil, o cronograma original foi mantido até meados de maio. Inicialmente o exame estava previsto para acontecer em outubro e novembro deste ano. Entretanto, a paralisação das escolas e pressão do Congresso, bem como das secretarias estaduais de Educação e da sociedade, levou a pasta a adiar o Enem. A decisão veio mais de quatro meses após a suspensão das aulas presenciais e fechamentos das escolas em todo o Brasil para evitar a propagação do coronavírus. 

 

Enquete realizada pouco adiantou

 

Mais de 5,8 milhões de estudantes participarão dessa edição do Enem. A pedido do ex-ministro Abraham Weintraub, durante os dias 20 e 30 de junho, os inscrito puderam participar de uma enquete sobre as novas datas do exame. A adesão, entretanto, foi pequena: somente 19% dos candidatos votaram. Destes, 49,7% optaram para que o Enem fosse apenas em maio do ano que vem. Outros 35,3% escolheram  janeiro. 

“A enquete não seria o único parâmetro. Foi muito importante ouvir os secretários e as instituições de ensino superior. A enquete diz que mais da metade dos alunos falaram em dezembro e janeiro”, disse o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes, durante a coletiva.  

“Se ficasse para maio, perderia o semestre”, explicou Vogel. “O problema é que cada secretaria tem a sua própria realidade, cada uma está tentando entregar cada resultado possível. Sabemos da realidade”.

 

Medidas de segurança para o Enem

 

Lopes afirmou que os procedimentos sanitários para dias do exame já estão sendo definidos. “Estamos adotando as medidas necessárias para garantir a segurança sanitária durante a aplicação da prova. Medidas relativas ao uso de álcool em gel, máscaras e quantidade de alunos nas salas de aplicação”, revelou. Para garantir a segurança de todos os inscritos, o MEC pediu suplementação orçamentária de R$ 70 milhões ao Ministério da Economia a fim de enfrentar os custos adicionais das medidas sanitárias previstas. 

Vogel afirmou ainda que, além das duas edições, o MEC poderá abrir mais uma seleção do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que dá acesso ao ensino superior com a nota do Enem. A possibilidade ainda deve ser discutida futuramente com as instituições de ensino superior.


Publicidade

Publicidade

Publicidade